o meu refrigerador ainda não funciona
Home Mensagem about Arquivo Theme

bem-vindos à orgia niilista


na espinha da realidade eu vou embora.

Sexta-feira, 11 Abr, 2014
74 notas
Reblogar
na espinha da realidade eu vou embora.
Sexta-feira, 11 Abr, 2014
1 nota
Reblogar

needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay needle in the hay 

eu tombo em corredores sem paredes, as luzes balançam, e eu sou um inseto. os meus tombos nunca são em vão.

lá fora é não sei que ano as pessoas dançam cantam riem transam mentem e falam falam falam sob as ordens do Deus Relógio; aqui dentro ainda é 1991, os anos 60 nunca existiram, todo mundo é um perdedor e a bota que esmaga o teu rosto é minha.

e eu não percebo que tem uma remela no meu olho, e ninguém está por perto para notar. enquanto isso, o chá verde purifica as impurezas do meu corpo minúsculo e fraco, tornando-o ainda mais minúsculo e fraco. 

vocês me fazem mal.

meu cardigã expele um cheiro forte de germano e eu não tenho nada a dizer a vocês.

morram.

"Taxista de cabelo ensebado senta o pau em cafetões e salva o dia". é desse jeito que eu quero ser lembrado.

… mas não por vocês.

não me convidem para as suas festas.

eu não sou vocês.

eu não quero nada de vocês.

eu não posso querer nada de vocês.

à parte isso, tenho em mim todo o tesão do mundo.

… mas não por vocês. 

para vocês eu tenho a mira do meu revólver sem balas, que por tempo demais descarreguei em mim mesmo.

Segunda-feira, 31 Mar, 2014
13 notas
Reblogar
eu tombo em corredores sem paredes, as luzes balançam, e eu sou um inseto. os meus tombos nunca são em vão.
lá fora é não sei que ano as pessoas dançam cantam riem transam mentem e falam falam falam sob as ordens do Deus Relógio; aqui dentro ainda é 1991, os anos 60 nunca existiram, todo mundo é um perdedor e a bota que esmaga o teu rosto é minha.
e eu não percebo que tem uma remela no meu olho, e ninguém está por perto para notar. enquanto isso, o chá verde purifica as impurezas do meu corpo minúsculo e fraco, tornando-o ainda mais minúsculo e fraco. 
vocês me fazem mal.
meu cardigã expele um cheiro forte de germano e eu não tenho nada a dizer a vocês.
morram.
"Taxista de cabelo ensebado senta o pau em cafetões e salva o dia". é desse jeito que eu quero ser lembrado.
… mas não por vocês.
não me convidem para as suas festas.
eu não sou vocês.
eu não quero nada de vocês.
eu não posso querer nada de vocês.
à parte isso, tenho em mim todo o tesão do mundo.
… mas não por vocês. 
para vocês eu tenho a mira do meu revólver sem balas, que por tempo demais descarreguei em mim mesmo.

olá tudo bem? ainda lembro como se fosse hoje porque foi hoje e porque é todos os dias que tu olhou para mim como se tu não fosse mais eu e disse: ‘eu não posso carregar este fardo’ e eu pensei ‘tudo bem, eu ainda posso consertar isso’ e resolvi sair de casa e na rua o menino barbudo que não tinha pensamentos ruins na cabeça eu sempre tenho razão eu sempre sei o que dizer eu sou bonito eu não preciso de mais pessoas bonitas na minha vida porque eu não sou superficial eu não sou doente e quando eu vejo alguém doente eu digo UUUUUUUH QUE ABSURDOOOO e a menina que foi cantada por um estranho na rua e que está tão de parabéns que só quer chegar em casa e se cortar até esquecer da existência de pessoas doentes que não esquecem ela e que também não conhecem ela mas estão nesse exato momento caçando o e-mail telefone facebook ou qualquer coisa que for dela porque planejam esquartejá-la ou, na pior das hipóteses, porque apaixonaram-se por ela e não são saudáveis o suficiente para procederem dentro da normalidade que todo mundo tem acesso menos eles, diziam, sem olhar para mim: ‘eu não posso carregar este fardo’, e eu pensei ‘tudo bem, eu ainda posso consertar isso’ e eu volto para casa e corro para o computador, e lá o facebook ter amigos até que seria legal mas ser uma planta seria mais legal ainda o twitter não desista porque true love will find you in the end o instagram acho que estou ficando gordo e o o tumblr isso não é um filme isso não é um filme isso não é um filme me diziam ‘eu não posso carregar este fardo’, e eu pensei ‘bom, então eu não quero mais estar acordado’ e resolvi tentar dormir até morrer mas não consegui, e foi então que eu vi uma virgem maria de porcelana que minha mãe me deu quando eu era criança, guardada e pegando poeira bem a cima do meu guarda-roupa, e eu olhava para ela e dizia: ‘por favor, tudo o que eu quero é dormir até morrer’, e ela olhava para mim com os olhos da frieza do mundo e dizia: ‘eu não posso carregar este fardo’.

Quinta-feira, 20 Mar, 2014
6 notas
Reblogar
olá tudo bem? ainda lembro como se fosse hoje porque foi hoje e porque é todos os dias que tu olhou para mim como se tu não fosse mais eu e disse: ‘eu não posso carregar este fardo’ e eu pensei ‘tudo bem, eu ainda posso consertar isso’ e resolvi sair de casa e na rua o menino barbudo que não tinha pensamentos ruins na cabeça eu sempre tenho razão eu sempre sei o que dizer eu sou bonito eu não preciso de mais pessoas bonitas na minha vida porque eu não sou superficial eu não sou doente e quando eu vejo alguém doente eu digo UUUUUUUH QUE ABSURDOOOO e a menina que foi cantada por um estranho na rua e que está tão de parabéns que só quer chegar em casa e se cortar até esquecer da existência de pessoas doentes que não esquecem ela e que também não conhecem ela mas estão nesse exato momento caçando o e-mail telefone facebook ou qualquer coisa que for dela porque planejam esquartejá-la ou, na pior das hipóteses, porque apaixonaram-se por ela e não são saudáveis o suficiente para procederem dentro da normalidade que todo mundo tem acesso menos eles, diziam, sem olhar para mim: ‘eu não posso carregar este fardo’, e eu pensei ‘tudo bem, eu ainda posso consertar isso’ e eu volto para casa e corro para o computador, e lá o facebook ter amigos até que seria legal mas ser uma planta seria mais legal ainda o twitter não desista porque true love will find you in the end o instagram acho que estou ficando gordo e o o tumblr isso não é um filme isso não é um filme isso não é um filme me diziam ‘eu não posso carregar este fardo’, e eu pensei ‘bom, então eu não quero mais estar acordado’ e resolvi tentar dormir até morrer mas não consegui, e foi então que eu vi uma virgem maria de porcelana que minha mãe me deu quando eu era criança, guardada e pegando poeira bem a cima do meu guarda-roupa, e eu olhava para ela e dizia: ‘por favor, tudo o que eu quero é dormir até morrer’, e ela olhava para mim com os olhos da frieza do mundo e dizia: ‘eu não posso carregar este fardo’.

olá, quer ser meu amigo?

eu ainda estou escondido porque se tu der um pouco de amor tu pode ganhar um pouco de amor próprio, tu oferece uma das tuas bolachas mas eu não aceito porque escorre sêmen do recheio e eu vejo o meu rosto em embalagens amassadas e minhas mãos estão mortas, eu leio o meu nome em sacolas plásticas jogadas no meio do meu quarto, e eu nem lembro de onde elas vieram, camisetas de segunda mão i’m so ugly but that’s ok cause so are you calças velhas calças furadas calças apertadas e eu não lembro de onde tudo isso veio, meu deus por que eu só consigo pensar palavras estúpidas por que eu só consigo ouvir palavras inteligentes estúpidas polícia truculenta cabelo preso cheiro de sexo produção acadêmica estúpidasacho que antes de amar os outros a gente precisa amar a si mesmo. e é isso o que estou fazendo.

o poste de luz divide-se em duas luas tristes, sêmen escorre dos meus dedos, e o demônio que ri de mim é o meu melhor amigo.

minha pele coça, meu quarto fede, e eu me amo.

a maioria das pessoas acreditam no que é errado - eu sou uma delas.

[modelo da foto: olga]

Terça-feira, 18 Mar, 2014
2 notas
Reblogar
olá, quer ser meu amigo?
eu ainda estou escondido porque se tu der um pouco de amor tu pode ganhar um pouco de amor próprio, tu oferece uma das tuas bolachas mas eu não aceito porque escorre sêmen do recheio e eu vejo o meu rosto em embalagens amassadas e minhas mãos estão mortas, eu leio o meu nome em sacolas plásticas jogadas no meio do meu quarto, e eu nem lembro de onde elas vieram, camisetas de segunda mão i’m so ugly but that’s ok cause so are you calças velhas calças furadas calças apertadas e eu não lembro de onde tudo isso veio, meu deus por que eu só consigo pensar palavras estúpidas por que eu só consigo ouvir palavras inteligentes estúpidas polícia truculenta cabelo preso cheiro de sexo produção acadêmica estúpidas. acho que antes de amar os outros a gente precisa amar a si mesmo. e é isso o que estou fazendo.
o poste de luz divide-se em duas luas tristes, sêmen escorre dos meus dedos, e o demônio que ri de mim é o meu melhor amigo.
minha pele coça, meu quarto fede, e eu me amo.
a maioria das pessoas acreditam no que é errado - eu sou uma delas.
[modelo da foto: olga]

mãos mortas, sangue seco.

mais uma vez perco eternidades.

mais uma vez é fácil demais encontrar pessoas.

nunca há respostas, e minhas interpretações são paranoicas.

dementes.

acho que sou doente, e quanto menos as pessoas se parecem comigo, mais elas me atraem.

diga olá para o teu carrasco, ele vai te acompanhar pelo resto da tua vida. continuo pedindo desculpas, vai que um dia eu seja absolvido.

estrada de folhas caídas que são juntadas pelo caminho por eu tu e ninguém, friozinho compensado com x & bençãos de muito além da minha capacidade cognitiva pessimista - é isso o que eu quero.

enteógenos fardados de puberdade atrasada, dias sem memória fadados a ser eu mesmo & noites sem identidade regadas a opium dreams - é isso o que mereço.

Segunda-feira, 10 Mar, 2014
13 notas
Reblogar
mãos mortas, sangue seco.
mais uma vez perco eternidades.
mais uma vez é fácil demais encontrar pessoas.
nunca há respostas, e minhas interpretações são paranoicas.
dementes.
acho que sou doente, e quanto menos as pessoas se parecem comigo, mais elas me atraem.
diga olá para o teu carrasco, ele vai te acompanhar pelo resto da tua vida. continuo pedindo desculpas, vai que um dia eu seja absolvido.
estrada de folhas caídas que são juntadas pelo caminho por eu tu e ninguém, friozinho compensado com x & bençãos de muito além da minha capacidade cognitiva pessimista - é isso o que eu quero.
enteógenos fardados de puberdade atrasada, dias sem memória fadados a ser eu mesmo & noites sem identidade regadas a opium dreams - é isso o que mereço.

não me fale do inverno que está vindo, das peles pálidas de veludo, ou dos sapatos sujos de rimbaud.

não me fale dos teus cadernos de desenho, do teu reflexo em lomo, ou das minhas mãos mortas.

não me fale das folhas secas caídas pelo chão, que tu juntou e colocou no teu caderno de desenho. porque eu sou a que foi deixada para trás. que foi levada pelo inverno. que foi para nunca mais.

there is another world

there is a better world

well there must be

well there must be

well there must be

well there must be

well there must be

well there must be

well there must be

por favor, não me fale das terras altas. porque eu nunca estarei lá.

Segunda-feira, 3 Mar, 2014
5 notas
Reblogar
não me fale do inverno que está vindo, das peles pálidas de veludo, ou dos sapatos sujos de rimbaud.
não me fale dos teus cadernos de desenho, do teu reflexo em lomo, ou das minhas mãos mortas.
não me fale das folhas secas caídas pelo chão, que tu juntou e colocou no teu caderno de desenho. porque eu sou a que foi deixada para trás. que foi levada pelo inverno. que foi para nunca mais.
there is another world
there is a better world
well there must be
well there must be
well there must be
well there must be
well there must be
well there must be
well there must be
por favor, não me fale das terras altas. porque eu nunca estarei lá.

oooooooooooooooooooh how time flies

eu não quero dançar a música dos Outros, mas mesmo assim o meu pé sempre me trai.

hateeeeeeer i haaaave yoooooours

…….

diamonds

*mexe os pulsos*

por que eu não nasci lésbico i don’t know - para que eu não me sinta oprimido maybe.

eu vejo a chuva caindo, e ela não me diz nada.

eu vejo barbudos em cima de palcos falando qualquer coisa sobre coca (não vai ter), copa cola e ônibus púbico, e eles não me dizem nada.

eu realmente prefiro pensar que eu não entendi a mensagem, em vez de pensar que eu não dou a mínima. 

mas eu acho que a verdade é que eu não dou a mínima mesmo. desculpa, mundo. 

(e por algum motivo eu queria roçar na barba deles)

(hmmmm…. barba)

cansei de ouvir os outros.

cansei de aprender.

como se existisse alguém que pudesse ensinar.

como se existisse algo que eu devesse saber.

eu dissequei a cabeça Deles e vi que aquele pedaço de carne mais superestimado que a vida que existe lá dentro e que costumam chamar de cérebro assemelha-se mais a merda rosa do que qualquer outra coisa.

não há nada que alguém me acrescente, porque não há nada que me falte.

Quarta-feira, 26 Fev, 2014
8 notas
Reblogar
oooooooooooooooooooh how time flies
eu não quero dançar a música dos Outros, mas mesmo assim o meu pé sempre me trai.
hateeeeeeer i haaaave yoooooours
……. 
diamonds
*mexe os pulsos*
por que eu não nasci lésbico i don’t know - para que eu não me sinta oprimido maybe.
eu vejo a chuva caindo, e ela não me diz nada.
eu vejo barbudos em cima de palcos falando qualquer coisa sobre coca (não vai ter), copa cola e ônibus púbico, e eles não me dizem nada.
eu realmente prefiro pensar que eu não entendi a mensagem, em vez de pensar que eu não dou a mínima. 
mas eu acho que a verdade é que eu não dou a mínima mesmo. desculpa, mundo. 
(e por algum motivo eu queria roçar na barba deles)
(hmmmm…. barba)
cansei de ouvir os outros.
cansei de aprender.
como se existisse alguém que pudesse ensinar.
como se existisse algo que eu devesse saber.
eu dissequei a cabeça Deles e vi que aquele pedaço de carne mais superestimado que a vida que existe lá dentro e que costumam chamar de cérebro assemelha-se mais a merda rosa do que qualquer outra coisa.
não há nada que alguém me acrescente, porque não há nada que me falte.

onde está o manual de instruções? - eu tenho uma pessoa e eu não sei como usá-la.

isso é o melhor que eu posso fazer.

só queria que tu soubesse que não há nada que tu deva saber que tipo de pessoa eu sou. eu não posso controlar a tua mente. eu não posso controlar nem a minha ânsia por sangue.

onde está o manual de instruções? - eu tenho uma arma e eu não sei como usá-la. por que alguém faria mal a si mesmo?

minha empatia pelo mundo é artificial.

isso é o melhor que eu posso ser.

artificial.

jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama.

artificial.

um dia o esgoto humano transbordará. ele invadirá as ruas, avenidas, edifícios, apartamentos e casas. e toda a beleza desaparecerá para sempre.

e lá estarei eu.

completa.

mente.

artificial.

Domingo, 23 Fev, 2014
25 notas
Reblogar
onde está o manual de instruções? - eu tenho uma pessoa e eu não sei como usá-la.
isso é o melhor que eu posso fazer.
só queria que tu soubesse que não há nada que tu deva saber que tipo de pessoa eu sou. eu não posso controlar a tua mente. eu não posso controlar nem a minha ânsia por sangue.
onde está o manual de instruções? - eu tenho uma arma e eu não sei como usá-la. por que alguém faria mal a si mesmo?
minha empatia pelo mundo é artificial.
isso é o melhor que eu posso ser.
artificial.
jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama jesus me ama.
artificial.
um dia o esgoto humano transbordará. ele invadirá as ruas, avenidas, edifícios, apartamentos e casas. e toda a beleza desaparecerá para sempre.
e lá estarei eu.
completa.
mente.
artificial.

o oculto só se mostra a quem não precisa das luzes acesas.

mesmo quando nada está fora do lugar, eu ainda sinto a tua presença.

enquanto tu descansa de um dia cheio, eu sou aquele que acorda às três da manhã e três vezes diz o teu nome em frente ao espelho.

posso ouvir os violinos dos que sofreram e fizeram sofrer arranhando o ar, como unhas compridas em paredes lisas.

eu sou o distúrbio no teu campo eletromagnético. 

eu sou a sombra das tuas costas.

foto

Quinta-feira, 20 Fev, 2014
4 notas
Reblogar
o oculto só se mostra a quem não precisa das luzes acesas.
mesmo quando nada está fora do lugar, eu ainda sinto a tua presença.
enquanto tu descansa de um dia cheio, eu sou aquele que acorda às três da manhã e três vezes diz o teu nome em frente ao espelho.
posso ouvir os violinos dos que sofreram e fizeram sofrer arranhando o ar, como unhas compridas em paredes lisas.
eu sou o distúrbio no teu campo eletromagnético. 
eu sou a sombra das tuas costas.
foto

bom dia.

toda a minha raiva se foi - era tudo o que me restava.

agora os dias passam rápido, e o meu sangue é tão frio que chega a ter gosto de ferrugem.

o meu ódio por ti era o que dava sentido para a minha vida. e agora que ele passou, o que é que eu vou fazer?

bolitas verdes sorriem em silêncio enquanto eu arrumo as minhas coisas para ir embora. e eu quase gosto disso. adeus, bolitas verdes.

e se eu esperar? e se eu insistir? e depois? - eu que queria ser uma planta me pergunto.

e depois? - tu que não se importa me pergunta.

e depois? - ela que não existe me pergunta.

e depois? - ele que não sou eu me pergunta.

eu não estou preparado.

eu só consigo pensar coisas - e nada mais.

já posso sentir o fedor de máquinas funcionando, talvez lá a minha raiva volte. obrigado, bolitas verdes.

Quarta-feira, 19 Fev, 2014
2 notas
Reblogar
bom dia.
toda a minha raiva se foi - era tudo o que me restava.
agora os dias passam rápido, e o meu sangue é tão frio que chega a ter gosto de ferrugem.
o meu ódio por ti era o que dava sentido para a minha vida. e agora que ele passou, o que é que eu vou fazer?
bolitas verdes sorriem em silêncio enquanto eu arrumo as minhas coisas para ir embora. e eu quase gosto disso. adeus, bolitas verdes.
e se eu esperar? e se eu insistir? e depois? - eu que queria ser uma planta me pergunto.
e depois? - tu que não se importa me pergunta.
e depois? - ela que não existe me pergunta.
e depois? - ele que não sou eu me pergunta.
eu não estou preparado.
eu só consigo pensar coisas - e nada mais.
já posso sentir o fedor de máquinas funcionando, talvez lá a minha raiva volte. obrigado, bolitas verdes.

o que a menina genie sentiu ao descobrir que ninguém queria fazer cocô com ela? - vivo pensando nisso. 

e quanto aos campos floridos em embalagens de essência de alfazema que tanto cagaram (e ainda cagam) a minha vida? 

só as almas de bom coração e verdadeiramente puras têm a permissão para conhecê-los.

logo quando essas bestas da perfeição adentram esses campos, elas perdem todo seu sistema digestivo, que é automaticamente substituído por um frasco de essência de alfazema.

a paz de espírito, a tranquilidade e o perfume forte e insuportavelmente auto-confiante impregnam nos pulmões e transformam todos os alvéolos em flores macias, frescas e delicadas - como a belle époque, as loiras nuas do woodstock, as blusas de lã francesas, ou qualquer coisa que tu favorita e rebloga no tumblr.

não há guerras, pois não há sofrimento.

não há intelectuais, pois não há perguntas sem resposta.

não há poetas, pois todo mundo é amado.

e não há pessoas interessantes, pois todo mundo é perfeito. 

o controle é pleno; e o silêncio, absoluto.

quem entra lá, nunca mais sai - disso pode ter certeza. 

e eu sei que tu sonha em viver lá.

todos nós sonhamos.

Sexta-feira, 14 Fev, 2014
18 notas
Reblogar
o que a menina genie sentiu ao descobrir que ninguém queria fazer cocô com ela? - vivo pensando nisso. 
e quanto aos campos floridos em embalagens de essência de alfazema que tanto cagaram (e ainda cagam) a minha vida? 
só as almas de bom coração e verdadeiramente puras têm a permissão para conhecê-los.
logo quando essas bestas da perfeição adentram esses campos, elas perdem todo seu sistema digestivo, que é automaticamente substituído por um frasco de essência de alfazema.
a paz de espírito, a tranquilidade e o perfume forte e insuportavelmente auto-confiante impregnam nos pulmões e transformam todos os alvéolos em flores macias, frescas e delicadas - como a belle époque, as loiras nuas do woodstock, as blusas de lã francesas, ou qualquer coisa que tu favorita e rebloga no tumblr.
não há guerras, pois não há sofrimento.
não há intelectuais, pois não há perguntas sem resposta.
não há poetas, pois todo mundo é amado.
e não há pessoas interessantes, pois todo mundo é perfeito. 
o controle é pleno; e o silêncio, absoluto.
quem entra lá, nunca mais sai - disso pode ter certeza. 
e eu sei que tu sonha em viver lá.
todos nós sonhamos.

sobre como desaparecer completamente (p. 2):

pixel vazio, porta fechada, movimentos repetidos, tremor nas pernas, pessoas são só pessoas, fantasmas são só fantasmas.

a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida.

tudo muda lentamente.

Domingo, 9 Fev, 2014
38 notas
Reblogar
sobre como desaparecer completamente (p. 2):
pixel vazio, porta fechada, movimentos repetidos, tremor nas pernas, pessoas são só pessoas, fantasmas são só fantasmas.
a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para a vida.
tudo muda lentamente.

não tenha medo.

deite a cabeça no travesseiro e feche os olhos.

os sintomas da abstinência de longos anos de princesas da disney logo irão passar e tu poderá olhar nos olhos das pessoas. 

quando tu tiver consciência disso, eu finalmente esquecerei.

ouço uma voz que lembra bastante a minha dizendo:

tu não sofre o bastante. tu não sofre o bastante. tu não sofre o bastante.

eu estou contaminado pelo vírus do mal, e a minha boca pronuncia palavras que não são minhas:

minhas intenções são das mais nobres, na hora de fazer não gritou, não culpe as vítimas, a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para vida, permita-se, respeite-me, seja bom, seja o jim morrison, não culpe as vítimas. 

ouço todas as tuas notas de repúdio como se fossem para mim. eu peço desculpas e não sei por quê.

tu é a mudança, eu sou o vírus, e não sei o que fazer. e a cada giro do ventilador eu sinto a minha vida indo embora.

mas eu ainda quero ser bom, então corro para digitar o teu número, na esperança de que tu resolva a minha vida.

mas está sempre ocupado.

Sábado, 8 Fev, 2014
7 notas
Reblogar
não tenha medo. 
deite a cabeça no travesseiro e feche os olhos. 
os sintomas da abstinência de longos anos de princesas da disney logo irão passar e tu poderá olhar nos olhos das pessoas. 
quando tu tiver consciência disso, eu finalmente esquecerei.
ouço uma voz que lembra bastante a minha dizendo:
tu não sofre o bastante. tu não sofre o bastante. tu não sofre o bastante.
eu estou contaminado pelo vírus do mal, e a minha boca pronuncia palavras que não são minhas:
minhas intenções são das mais nobres, na hora de fazer não gritou, não culpe as vítimas, a vida não foi feita para mim mas eu fui feito para vida, permita-se, respeite-me, seja bom, seja o jim morrison, não culpe as vítimas. 
ouço todas as tuas notas de repúdio como se fossem para mim. eu peço desculpas e não sei por quê.
tu é a mudança, eu sou o vírus, e não sei o que fazer. e a cada giro do ventilador eu sinto a minha vida indo embora.
mas eu ainda quero ser bom, então corro para digitar o teu número, na esperança de que tu resolva a minha vida.
mas está sempre ocupado.

tente atravessar o pântano dos arrependimentos.

quem consegue ir até o fim, esquece para sempre o próprio nome. quem fica no caminho, morre afogado em memórias cristalizadas ou preso às raízes de orquídeas clarividentes.

sinto cheiro de insanidade mal-resolvida. pergunto-me de onde ele vem. o ar carrega um vírus que há muito já estamos acostumados. 

uma centopeia centenária arrasta-se em minha direção, e dói demais olhar nos seus olhos. ela sabe tudo o que me aconteceu e o que me acontecerá, mas nada me conta. 

ela diz: não olhe para trás.

eu olho, e vejo os meus pais sofrendo alucinações de uma vida inteira e morrendo de asfixia no meio do caminho. 

ela diz: quando voltar, feche os olhos. 

mas agora é tarde demais para fechar os olhos.

deito-me sobre esta pasta leitosa arroxeada, e deixo-a sufocar os meus pulmões viciados. o veneno da centopeia corre nas minhas veias, e tudo é eterno.

Quarta-feira, 5 Fev, 2014
8 notas
Reblogar
tente atravessar o pântano dos arrependimentos. 
quem consegue ir até o fim, esquece para sempre o próprio nome. quem fica no caminho, morre afogado em memórias cristalizadas ou preso às raízes de orquídeas clarividentes.
sinto cheiro de insanidade mal-resolvida. pergunto-me de onde ele vem. o ar carrega um vírus que há muito já estamos acostumados. 
uma centopeia centenária arrasta-se em minha direção, e dói demais olhar nos seus olhos. ela sabe tudo o que me aconteceu e o que me acontecerá, mas nada me conta. 
ela diz: não olhe para trás.
eu olho, e vejo os meus pais sofrendo alucinações de uma vida inteira e morrendo de asfixia no meio do caminho. 
ela diz: quando voltar, feche os olhos. 
mas agora é tarde demais para fechar os olhos.
deito-me sobre esta pasta leitosa arroxeada, e deixo-a sufocar os meus pulmões viciados. o veneno da centopeia corre nas minhas veias, e tudo é eterno.
1



Theme